Apostas na loteria esportiva móvel

Remédio e inovação devem ser prioridades de governo, diz pesquisa

4 a cada 10 usuários reprovam saúde no país, mostra levantamento feito pelo PoderData, a pedido da Associação Nacional de Hospitais Privados

Pessoa mostra medicamentos na mão
Copyright Pexels
Acesso a mais medicamentos gratuitos é uma demanda da população para o próximo governo

Quando recorre à estrutura do SUS (Sistema Único de Saúde), o brasileiro acha difícil ter acesso a medicamentos, exames e consultas. Nos postos, sente mais falta de médicos. Se tem a saúde suplementar à disposição, leva em conta a opinião do profissional na hora de escolher o hospital e compromete na maior parte das vezes até 1/3 da renda para pagar o plano e outros serviços. E ao pensar nas prioridades na área da saúde para o próximo governo, 50% querem mais investimentos em tecnologia e inovação e distribuição de remédios gratuitos.

As avaliações fazem parte da pesquisa “O que pensam os brasileiros sobre a saúde no país?”, realizada pelo PoderData –empresa de pesquisa do grupo Poder360 Jornalismo–, a pedido da (Associação Nacional de Hospitais Privados).

A pesquisa traz um painel das opiniões dos usuários do SUS e da saúde suplementar, após 2 anos da chegada da pandemia de covid-19 no país, e apresenta estratificação por renda, faixa etária, região geográfica, gênero e nível de instrução. Leia a revista com os principais dados da pesquisa ().

Os dados foram coletados de 1º a 8 de abril de 2022, por meio de ligações para celulares e telefones fixos. Foram 3.056 entrevistas com pessoas acima de 16 anos, em 388 municípios nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais. O intervalo de confiança é de 95%. O levantamento integra a  “2022: o ano de ouvir a saúde”, lançada também pela Anahp.

Para chegar ao número de entrevistas que preencham proporcionalmente (conforme aparecem na sociedade) os grupos por sexo, idade, renda, escolaridade e localização geográfica, o PoderData faz dezenas de milhares de telefonemas.

Ao analisar os números apurados, o médico clínico-geral e gastroenterologista , especializado em Administração em Sistemas de Saúde, Marketing e Finanças, com MBA Executivo em Gestão Avançada, chama atenção para o que considera um ponto nevrálgico: a avaliação do atendimento prestado é melhor do que a percepção amplificada.

Diante da pergunta “De maneira geral, como você avalia a situação da saúde no Apostas na loteria esportiva móvel?”, 4 entre 10 (43%) responderam “ruim” ou “péssima”; outros 45% disseram “regular” e apenas 9% sinalizaram aprovação, classificando-a como “boa” ou “ótima”. Em contrapartida, o percentual de satisfação sobe acentuadamente entre aqueles que foram atendidos nos últimos 12 meses, chegando a 53% dos usuários da saúde suplementar e a 45% do grupo do SUS.

“Quem usa mais aprova mais. Isso é demonstrado também na investigação por idade na percepção geral. O índice de satisfação entre as pessoas acima de 60 anos (17%) é mais que o triplo do verificado entre os jovens de 16 a 24 anos (5%), pois as faixas etárias mais avançadas demandam mais dos sistemas”, disse Ceschin, que é ex-diretor-presidente da (Agência Nacional de Saúde Suplementar) e ex-superintendente corporativo do Hospital Sírio-Libanês.

Leia os dados no infográfico.

Infere-se também a partir do levantamento que, quanto maior a escolaridade, maior o nível de criticidade e exigência. Apenas 7% dos que possuem ensino superior compreendem a saúde como “boa” ou “ótima”. Entre aqueles somente com nível fundamental, o percentual é mais que o dobro, 16%.

Assista ao vídeo com dados gerais da saúde e do SUS (1min30s).

No diagnóstico de Ceschin sobre o cenário, são muitos ainda os degraus a serem galgados para avançar. A comunicação com o cidadão é um dos principais deles, defende.

“Temos uma percepção geral pior do que aquilo que a realidade é. No NHS (National Health System), o sistema público inglês, referência mundial, é comum esperar de 6 a 9 meses para a consulta a um especialista médico, como reumatologista. No Apostas na loteria esportiva móvel, essa percepção é completamente diferente. Lá, as pessoas podem até se queixar, mas a demora é entendida como parte do processo. Então, temos a combinação entre a percepção ruim em razão de uma comunicação falha e a expectativa elevada nos 2 casos, no público e no privado. Mas isso não tira a necessidade de melhorar o sistema, que é o que precisamos fazer para já”, afirmou.

Leia no infográfico.

Prevenção e cuidado fora do foco da população

A pesquisa do PoderData, a pedido da Anahp, mostra que 39% dos brasileiros usuários do SUS citam a “saúde” como uma prioridade de vida, que é o item mais mencionado ao lado de “família” (41%). No entanto, 71% dizem não praticar atividades de prevenção, como exercícios físicos, por exemplo.

Entre os usuários da saúde suplementar, somente 15% participam das iniciativas preventivas oferecidas pela assistência visando ao cuidado e promoção à qualidade de vida. O empenho para engajar esse segmento mostra-se ainda mais desafiador quanto mais jovem é o grupo. Dos que têm de 16 a 24 anos, 89% não são adeptos a essas ações.

Para o conselheiro estratégico do Negócio de Hospitais e Oncologia da , o médico cirurgião pediátrico , é preciso educar para “transformar as pessoas em protagonistas da sua própria saúde”.

“O país não educou a população para mostrar que saúde não é apenas ter médico disponível e ir à consulta toda hora. O cuidado começa antes. Temos um ‘gap’ educacional, que é responsabilidade do Estado. Ensinar que comida industrializada faz mal por ter conservantes ou aliviar a carga tributária dos alimentos ‘in natura’, mais saudáveis, são ações de políticas públicas orientadoras de comportamento para prevenção a doenças. Além disso, para aumentar a adesão aos exercícios físicos, é preciso ter local apropriado para a prática na periferia, nas praças, sob a orientação de profissionais. As escolas públicas também abririam no fim de semana para essas atividades”, exemplificou.

Apontamento semelhante é feito por Maurício Ceschin, que acredita ser essencial criar também políticas públicas de Estado, e não só de governo, para que as ações sejam executadas de modo continuado, consistente e sistemático.  

“Com o processo de educação continuada, mudam-se hábitos para reverter os dados alarmantes apresentados pela pesquisa sobre a prevenção. É preciso criar uma cultura do autocuidado, da responsabilidade individual. Não se muda isso da noite para o dia, mas olhe o que aconteceu com o consumo de cigarro nos últimos 40 anos. Reduzimos o índice de fumantes para menos de 10% da população. E isso se faz, novamente friso, com comunicação.”

Investimentos em tecnologia e inovação devem ser priorizados pelo governo

O estudo apurou que metade da população quer que o próximo governo priorize os “investimentos em tecnologia e inovação” e a distribuição de “mais medicamentos gratuitos pelo SUS”. Tais carências foram assinaladas, respectivamente, por 28% e 22% da amostragem.  Na sequência, surgem a melhor qualificação profissional, citada por 18%, os serviços com foco na população idosa (14%), a melhoria no saneamento básico (13%) e outras prioridades (5%).

“Um dos gastos que mais pesam nos orçamentos domésticos é a compra de medicamentos.  Quanto mais idosos na família e quanto menor a renda, mais alta a porcentagem de despesas com medicamentos, o que confere mais uma insegurança de sustentabilidade econômica”, disse Paulo Chapchap.

Essa situação é mais evidente quando o levantamento mostra que mais da metade da população do SUS (53%) não tem acesso a remédios gratuitos. “Quando o sistema de saúde conseguir prover os medicamentos básicos para os males que mais matam hoje em dia, que são as doenças crônicas não transmissíveis (hipertensão, obesidade, diabetes, insuficiências cardíacas…), poderemos prevenir as complicações por meio de ingestão adequada dessas medicações. Muitas vezes, as pessoas quebram a sequência de tratamento porque não têm recursos para comprar os produtos”, explicou.

Leia no infográfico.

Em relação à tecnologia e inovação, Chapchap entende que os empenhos nessa frente deveriam estar mais direcionados para a implantação de um sistema interoperacional que capture dados dos pacientes de todo o país, em todas as suas fontes, a fim de orientá-los melhor para a jornada de cuidados.

“Sabemos que a incorporação de tecnologia para diagnósticos e fins terapêuticos está acontecendo. O problema é a deficiência na tecnologia que nos mostra onde estão os pacientes e as suas necessidades, para que façamos uma melhor gestão de saúde. São as plataformas de interação. E aí temos um desafio: há múltiplos sistemas de informações e não definimos uma linguagem que permita a interoperabilidade mais fácil dos dados. Ainda não há regularização para isso, uma medida que precisa partir do governo federal. Hoje, cada sistema faz o que lhe convém”, afirmou.

Também defensor desse conceito, Maurício Ceschin tem por convicção que o melhor caminho a ser adotado é a criação de um repositório de informações, ao qual o profissional de saúde poderia ter acesso mediante permissão do paciente.

“Em todas as vezes que o paciente fosse atendido, no público ou no privado, não importando a região ou o plano de saúde, o médico poderia acessar o histórico de saúde do indivíduo e acrescentar as informações do novo atendimento. Tendo por pilar os dados, instauraríamos políticas públicas direcionadas aos diabéticos, cardiopatas, hipertensos… Cada cidadão seria responsável por suas informações. Isso evitaria exames desnecessários e interação medicamentosa. Também propiciaria um atendimento mais seguro, mais personificado e mais barato. Falta tecnologia para fazer isso? Não, falta política de saúde, uma iniciativa que deveria partir do próprio Ministério da Saúde.”

Assista ao vídeo com dados da saúde suplementar (1min15s).

União de esforços públicos e privados é lição da pandemia

Na concepção dos 2 especialistas, a pandemia trouxe lições relevantes que estão realçadas na pesquisa (). O conhecimento e a experiência adquiridos nos períodos mais críticos das ondas de contágio, afirmam, mostraram o modo como fazer e a importância de convergir esforços públicos e privados para evitar outras crises sanitárias por meio de uma visão sistêmica.

“Vários entes da saúde suplementar acolheram o sistema público. Temos exemplos de estruturas montadas muito rapidamente com doações. Os hospitais privados se destacaram, inclusive. Se isso é possível, por que não fazê-lo de uma forma organizada e usual, mesmo fora da pandemia, com a devida transferência de competências para ajudar a estrutura pública a se desenvolver?”, sugeriu Chapchap.


A publicação deste conteúdo foi paga pela (Associação Nacional de Hospitais Privados).

o Poder360 integra o the trust project
autores
Poder Conteúdo Patrocinado

Poder Conteúdo Patrocinado

O Poder Conteúdo Patrocinado é a divisão de produção de conteúdos jornalísticos e institucionais pagos por parceiros ou apoiadores do Poder360. O conteúdo patrocinado é uma mensagem ou informação divulgada por empresas ou instituições interessadas em veicular suas ideias e conceitos. As opiniões e dados são de responsabilidade dos patrocinadores, mas a publicação é submetida a uma extensa curadoria, com o mesmo rigor presente no material jornalístico exibido nas páginas do jornal digital Poder360.

| Jogo da roleta que ganha dinheiro | | Melhores sites de poker no Brasil | | Melhores sites de poker no Brasil | | Jogos ao vivo da Premier League | | Probabilidades das Apostas Online | | Dicas de apostas grátis futebol | | AFUN - Melhores sites de jogos de azar 2022 | | Super placar de futebol | | Jogar na loteria online | | Aplicativos de Apostas | | Mineração de bitcoin | | Resultado da Mega-Sena de Hoje | | Roleta | | Estrategia blackjack | | Prévia de apostas de futebol | | Itens de apostas de futebol | | Como ganhar dinheiro com apostas de futebol? | | Roleta da sorte | | Jogo da roleta que ganha dinheiro | | Roleta da sorte online | | Apostas Esportivas | | Jogos De Caça-níquel | | Probabilidades | | Jogo do Bicho | | Caça-níqueis | | Poker Online com Dinheiro Real | | Safest Betting Sites | | Apostas Copa do Mundo | | Caça-Níqueis | | AFUN - Apostas de futebol online |