Apostas na loteria esportiva móvel

Será que a fúria cega vai continuar cega e nunca abrir os olhos?

Fúria cega direcionada a Bolsonaro já havia atingido Lula, Dilma, Temer, Sarney e Getúlio Vargas, escreve Mario Rosa

Copyright Wikimedia Commons
Articulista questiona se algum dia a fúria cega vai abandonar a política. Na foto, um recorte da pintura "Alegoria do Triunfo de Vênus", de Agnolo Bronzino (1503-1572)

O humorista Fábio Porchat na semana passada afirmou num podcast que o presidente Bolsonaro é um “verme”, “rato” e “vagabundo que não trabalha”. O político Guilherme Boulos declarou no Twitter que “o provável assassinato de Dom e Bruno tem a digital de Jair Bolsonaro”, referindo-se ao jornalista inglês e ao indigenista assassinados na Amazônia e, ao mesmo tempo, incriminando sem nenhuma prova o presidente da República. Nas horas vagas, Bolsonaro também é chamado de genocida, fascista, golpista, ditador e por aí vai. E aí você pergunta: está defendendo o Bozo, é (aliás o apelido do presidente para muitos é o nome de um palhaço)? Não. O presidente não é nenhum fofo, mas o tema aqui não é sobre ele.

É que eu já vi essa fúria cega antes. Bolsonaro, verdade, bate e insulta meio mundo. Ou todo mundo. Ou a via láctea. Ou o universo. Mas Bolsonaro não é o tema deste artigo, talquei? Eu já vi essa mesmíssima fúria cega flutuar pelos ares das marchas moralistas anticorrupção nos bonecos que se chamavam Lulecos e mostravam o ex-presidente vestido de presidiário. Eu já vi essa fúria cega inundar o país no ódio contra a ex-presidente Dilma, na implicância visceral ao jeito com que ela falava, nas piadas misóginas. Eu já vi esse fúria cega transformar o ex-presidente Temer em vampiro. Eu já vi essa fúria cega demonizar Fernando Collor. Eu já essa fúria cega até apedrejar o ônibus presidencial que tinha a bordo José Sarney no exercício da mais alta magistratura do país.

E aí você pergunta: ora, então este artigo não faz sentido. A fúria cega não é uma variável fixa da nossa história política? Sim e não. O maior presidente do Apostas na loteria esportiva móvel foi tão odiado pelos seus contemporâneos que não lhe restou nenhuma outra opção a não ser subir as escadas do palácio de madrugada, encher o tambor do revólver e disparar contra o próprio peito, no suicídio que tornou lendário Getúlio Vargas. Os odiadores estavam cegos pela fúria e errados. Getúlio é eterno. Agora, depois da Lava Jato, da destruição da política, da prisão de Lula, do Estado Policial, de tudo o que as instituições passaram, era de se esperar que as fúrias cegas abrissem seus olhos. Mas o que se vê é a mesma coreografia de sempre.

Os beneficiários do ódio, outrora vítimas dele, tiram proveito das marés de biles para tentar chegar ao poder. Às vezes chegam, mas o rastro de acidez e degradação que os levou ao ápice fica empossado e os vencedores, ilhados, com a fúria cega adormecida por um tempo os cercando à sua volta. Até que as ondas se agitam e transbordam. Não aprendemos nada com tudo que se passou? Quer dizer que o ódio a Bolsonaro é o antídoto ao ódio que apregoam a Bolsonaro? Tem o ódio do bem e o ódio mal? Tem o ódio ético e o ódio nefasto? Ódio cheirosinho e ódio pútrido? Ah é, é? É como uma aposta? Bolsonaro odeia, vamos odiá-lo em dobro e ganhamos o jogo? Será que ninguém entende que foi o ódio também que fez o Luleco voar, Dilma se tornar meme, Temer um vampiro, Sarney virar alvo de pedra e Collor, destroçado?

Será que a fúria cega continua cega e nunca vai abrir os olhos? Será que os que se imaginam alternativa ao ódio acreditam que pela escalada do escárnio e do insulto não estarão cavando suas próprias sepulturas, como todos que vieram antes? Será que nenhum de nós aprendeu nada com toda a odiosa atmosfera que tomou conta e ainda toma conta do país? Será, por fim, que a campanha deste ano é um campeonato de quem consegue odiar melhor e com mais eficácia? Não sou nenhum Mahatma Gandhi. Pelo contrário. Sou um simples mortal, pecador, cheio de vícios e erros. Mas sou também alguém que “vem de longe”, como dizia Leonel Brizola. “Quem com ferro fere, com ferro será ferido”. É um antigo provérbio popular, proveniente do versículo “Quem lança mão da espada, pela espada perecerá”. (Mateus, 26, 52).

Citando versículos? Falando em espadas? Bolsominion!!!!

Tudo bem. Pode me odiar. Pode odiar quem quiser. Mas a fúria cega, livre e solta, essa sim vem sendo a nossa inimiga em comum. Talvez seja melhor brigar com ela e não comigo.

o Poder360 integra o the trust project
autores
Mario Rosa

Mario Rosa

Mario Rosa, 57 anos, é jornalista, escritor, autor de 5 livros e consultor de comunicação, especializado em gerenciamento de crises. Escreve para o Poder360 quinzenalmente, sempre às quintas-feiras.

nota do editor: os textos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais iconográficos publicados no espaço “opinião” não refletem necessariamente o pensamento do Poder360, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

| Jogo da roleta que ganha dinheiro | | Melhores sites de poker no Brasil | | Melhores sites de poker no Brasil | | Jogos ao vivo da Premier League | | Probabilidades das Apostas Online | | Dicas de apostas grátis futebol | | AFUN - Melhores sites de jogos de azar 2022 | | Super placar de futebol | | Jogar na loteria online | | Aplicativos de Apostas | | Mineração de bitcoin | | Resultado da Mega-Sena de Hoje | | Roleta | | Estrategia blackjack | | Prévia de apostas de futebol | | Itens de apostas de futebol | | Como ganhar dinheiro com apostas de futebol? | | Roleta da sorte | | Jogo da roleta que ganha dinheiro | | Roleta da sorte online | | Apostas Esportivas | | Jogos De Caça-níquel | | Probabilidades | | Jogo do Bicho | | Caça-níqueis | | Poker Online com Dinheiro Real | | Safest Betting Sites | | Apostas Copa do Mundo | | Caça-Níqueis | | AFUN - Apostas de futebol online |